Regozijai-vos!


"Regozijai-vos sempre no Senhor.
Outra vez vos digo, REGOZIJAI-VOS."
(Bíblia Sagrada - Filipenses 4.4)

Ontem, ao ler esse já muito familiar e "pequeno" texto, minha mente agarrou-se a ele de uma forma quase que irresistível.
Parei aqui tentando absorver tudo o que poderia de cada palavra, por mais simples que pareça...
Por meio dele, Deus falou e alegrou meu coração.

REGOZIJAI-VOS

Isso é mais que um pedido ou conselho. É uma ordem amorosa de alguém que sabe o quanto a alegria e o contentamento no coração de hoje, a despeito das circunstancias estarem favoráveis ou não, facilitam e atraem a alegria e o contentamento para nosso amanhã.
Regozijo pode significar também ALEGRIA OU SATISFAÇÃO INTENSA.
Isso parece natural aos nossos olhos enquanto a vida caminha dentro da normalidade. É fácil, por exemplo, sentir intensa alegria quando na aquisição de algo de que necessitamos, ou simplesmente desejamos. É normal que o coração se encha de satisfação diante do nascimento de um bebê, de uma resposta positiva a uma entrevista em um emprego novo, de um sonho realizado, de um presente que se ganha ou de uns quilos que sobravam perdidos. rs..
Porém a sentença que segue nos mostra o motivo desse REGOZIJAI-VOS ser mais que um conselho nesse texto. Regozijai-vos SEMPRE! Esse "sempre" contém uma difícil, mas libertadora, lição.

SEMPRE

O mesmo que "sem cessar; sem fim e sem interrupção. A qualquer tempo." Isso é muito forte! O apóstolo Paulo está dizendo aqui que a nossa alegria não deve limitar-se/ condicionar-se aos momentos em que senti-la for natural. Mas que devemos disciplinar-nos a fim de que ela seja natural SEMPRE. Sabendo que haverá momentos em que ela parecerá ausente e tão distante que a teremos como morta. Mas, saberemos, após íntimos dela que ela está ali, habitando em nosso ser. E que ela, e não os momentos de tristeza e tragédia, são nosso estado permanente. Com esse 'sempre', da-se a entender que essa alegria sobrepuja as circunstâncias. Vai além do que as lágrimas em momentos de angústia nos tentam fazer acreditar. O profeta Habacuque deixa claro que aprendeu essa lição quando, em meio a problemas gravíssimos, declarou: Portanto, ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; Todavia eu me alegrarei..."

NO SENHOR

Ao ler tudo que li anteriormente pus-me a pensar que não é natural que nosso coração, nossa carne, nossas emoções, nossa alma reaja assim a situações contrárias as que descrevi anteriormente (aquisição de bens, nascimento dos filhos, sonhos realizados, etc.)
Quando, em vez de tudo isso, acontecem as perdas, as decepções, as tragédias, as mortes, as dificuldades, as traições, as doenças 'incuráveis', as respostas negativas às entrevistas de emprego, as injustiças, os abandonos... o natural mesmo é entregarmo-nos ao sentimento de tristeza e ao isolamento. Que homem mortal poderia nos condenar por sermos "tristes" se a nossa realidade justifica nossa tristeza e amargura? Humanamente falando esse texto se torna "impossível" e o contrário dele, justificável.
Porém, o texto não nos manda fazer isso por nós mesmos. Paulo aqui dá a receita para que isso se torne uma realidade em nós, considerando o fato de que a vida se incumbiria de dificultar bastante isso. "Alegrar-se sempre" só será possível NO SENHOR. É possível morrer de sede estando perto da fonte, mas mergulhado nela, não. Estar em Cristo é bem mais do que estar próximo a Ele. Paulo declara seu segredo: A VIDA QUE AGORA VIVO, NÃO A VIVO MAIS EU, MAS CRISTO VIVE EM MIM.
O segredo, portanto, é viver NELE (NO Senhor).
No evangelho de João, Jesus diz: "Digo-vos isso para que a minha alegria esteja em vocês e a vossa alegria seja completa."
Aí está: REGOZIJAR-SE SEMPRE é ESTAR NO SENHOR!
Com essa oração encerro: Senhor, SEJA TUDO EM MIM. E, que EM TI, minha alegria seja completa. Em nome de Jesus. Amém!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gosto de Puro Hoje

Entre Compassos e Descompassos