ALMA NO ODRE

Existem coisas que apertam nosso coração como poucas o fazem.
Lágrimas de quem amamos, por exemplo. Ontem senti isso. Hoje vim aqui tentar entender como o coração de Deus reage a essas lágrimas. Minha mente falou com Ele que dói saber que quem a gente ama está sofrendo, e que o coração aperta, apesar de saber que essas mesmas lágrimas lavam e desentalam a alma.
No momento em que pensava, várias coisas flutuaram juntas na mente...
Lembrei do clamor de Ana, lá no livro de I Samuel. Ana tinha um sonho e tinha um impossibilitador desse sonho. Talvez já tivesse recorrido a todas as soluções possíveis. Todas as possibilidades foram esgotadas. Muitas lágrimas foram derramadas nas tentativas com o "possível", com o "talvez" isso ajude, "talvez" isso resolva...Já havia chorado diante de vários médicos, já havia chorado com as amigas, já havia chorado com seu esposo... não havia demonstração de afeto ou palavra de consolo que a tirasse do seu "Vale de Baca". 
*O vale de Baca era um vale que os israelitas, obrigatoriamente, tinham que atravessar em suas peregrinações até Jerusalém e, significa, literalmente, Vale das lágrimas. 
Há vales de lágrimas no caminho da terra que mana leite e mel. 
Houve um dia em que Ana derramou toda a lágrima que restava diante daquele que podia transformá-las no milagre. Um dia, Ana desistiu de tentar usar suas forças pra caminhar... ela simplesmente pegou toda a força que tinha e se prostrou, em prantos diante do santuário de Deus.
Ela, pois, com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou abundantemente.
Ana já não tinha chorado tanto? Talvez já tivesse feito milhares de orações...
Qual  a diferença dessa oração para as outras orações? Nesta oração não havia só palavras... nessa oração a alma de Ana jorrava junto com as lágrimas... era alma líquida o que ela vertia dos olhos. 
Porquanto Ana no seu coração falava; só se moviam os seus lábios, porém não se ouvia a sua voz; pelo que Eli a teve por embriagada.


E disse-lhe Eli: Até quando estarás tu embriagada? Aparta de ti o teu vinho.

Porém Ana respondeu: Não, senhor meu, eu sou uma mulher atribulada de espírito; nem vinho nem bebida forte tenho bebido; porém tenho derramado a minha alma perante o SENHOR

Naquele momento, Ana verteu lágrimas que tocaram o coração de Deus. Lágrimas que eram muito mais do que água e sal. Imagino o anjo vindo colher as lágrimas no odre e dizendo a Deus - Senhor, essas lágrimas não são comuns! Essas são raras! Tua filha derramou sua alma no odre!

Tu contas as minhas vagueações; põe as minhas lágrimas no teu odre. Não estão elas no teu livro?

E imagino Deus sorrindo e dizendo ao mesmo anjo: Pois desça imediatamente e leve o milagre que minha filha pede. Hoje ela tocou no impossível com suas lágrimas. Agora a história é comigo!
Tendo pensado nisso veio a resposta ao que minha mente havia dito a Deus:
Filha, se você se comove com as lágrimas de quem você ama, imagina eu que criei, formei, planejei, sonhei com a vida de quem você ama!? Ontem enquanto teu coração se apertava, meu anjo subia com alma no odre até mim. Eu vi, eu senti, eu me comovi... os sonhos, os desejos e os impossíveis são comigo!
E, hoje, meu coração está feliz por entender que Deus se importa e dá atenção especial às lágrimas que pra mim são tão importantes...
Feliz por saber que VAI DAR TUDO CERTO!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Alma Precisa Sair Pra Passear

Amizade de Getsemani